Sejam muito bem-vindos a mais uma review da Strong Player, desta vez com Spider-Man.

Esta foi uma review que eu adorei fazer, pela primeira vez joguei um jogo de Spider-Man que eu posso dizer que está fantástico.

Em primeiro lugar porque este personagem de Spider-Man já é um personagem um pouco mais velho do que estamos habituados a ver nos filmes.

Estamos a falar de um Peter Parker mais adulto, um personagem que já tem o seu próprio emprego, já não estuda e que tenta ajudar a cidade com os seus poderes sempre tendo em conta que "grandes poderes acarretam grandes responsabilidades".

Já não estamos a falar de um Spider-Man imaturo, estamos a falar de um adulto, de uma personagem que já tem a sua própria personalidade, que já pesa os prós e os contras de forma a tomar as melhores decisões.

Este novo Spider-Man já tem 8 anos de super-herói, neste momento da história ele já não namora com a Mary Jane. Muita coisa aconteceu, mas para saberem mais vão ter de jogar. Temos algumas missões secretas nas quais iremos jogar com Mary Jane, são missões bem interessantes que nos vão ajudar a compreender todo o enredo da história do jogo.

Assim que iniciamos o jogo já estaremos a combater uma das personagens mais icónicas do mundo de Spider-Man, estou a falar do Fisk,  o vilão que toma conta da cidade de Manhattan, mas que iremos perceber que afinal ele mantinha uma certa ordem dentro do próprio crime.

Após o combate com o Fisk, essa personagem é presa e o caos reina na cidade. Peter Parker entra assim numa nova fase onde temos um novo super vilão chamado de Mr. Negative, ele tem um gangue de capangas que usam máscaras chamadas de Demons.

Mas o jogo é muito mais do que isso estamos a falar de um jogo onde combates mais pequenos também são essenciais para que a nossa personagem cresça e para que se possa adquirir novos fatos e novas habilidades para a nossa personagem. Essas habilidades vão fazer com que seja possível derrotar inimigos mais fortes. Todas as missões são importantes, e fazer algumas missões secundarias será importante para que a nossa evolução possa ser constante.

O jogo...

Uma das coisas que eu mais gosto em Spider-Man e o facto de termos um jogo em mundo aberto, ele tem elementos chave que o fazem funcionar muito bem um deles é o sistema de combate e outro é a quantidade e variedade dos vilões presentes no jogo.

A quantidade de extras que podemos fazer durante o nosso jogo é infindável, temos tarefas como recolher mochilas, apanhar pombos, desativar bombas e muito mais. Existem ainda várias missões secundárias, essas são missões que nos vão fazer ganhar experiência e que mais tarde nos podem fazer evoluir o nosso fato e as nossas habilidades. A produtora Insomniac Games desenvolveu movimentos bastante fluidos e combinações de habilidades fáceis de implementar durante o jogo.

 Ao contrário de muitos jogos de sucesso o Spider-Man da Marvel não tem nenhum componente online nem nenhum sistema de micro-transações. Em vez disso o jogo irá trazer três capítulos de histórias para download chamados de "The city that never sleeps". 

O primeiro vai chegar em Outubro e vai concentrar-se em Black Cat uma personagem clássica do homem-aranha que muitas vezes serve como um flirt para Peter Parker.  Por enquanto não sabemos como a Black Cat será representada no jogo apenas sabemos que estará presente no DLC.

Os outros dois DLC's chegarão com os nomes "Turf Wars" que chegará em Novembro e o "Silver Lining" que chegará em Dezembro. Não há novidades em relação aos últimos dois DLC's, apesar de os nomes indicarem o que pode estar envolvido. Os novos DLC´s podem ser adquiridos por 9.99€ cada um ou por 25 € o pack completo.

Jogabilidade...

A jogabilidade de Spider-Man está muito bem conseguida, a combinação de comandos é incrível, a capacidade de resposta da nossa personagem aos comandos é espetacular. Posso dizer que já não jogava um jogo de mundo aberto que me desse tanto prazer de jogar como neste título. A cidade de Nova York também está muito bem desenhada e no que toca a pontos para podermos agarrar as nossas teias também está muito bem conseguido. Se não existir um prédio alto para podermos prender as nossas teias, a nossa personagem entra numa queda a pique até encontrar um ponto em que possa lançar as suas teias novamente.

Bem interessante ver a variedade de formas como podemos lançar as nossas teias, podemos lançá-las para servir de corda, podemos lançá-las para a frente para ganharmos mais velocidade sem perder altitude e também podemos lançar as nossas teias de forma a atingir um objeto e dar impulso num salto frontal que nos vai dar mais velocidade para chegar ao nosso destino mais rapidamente. Em combate os movimentos da personagem são muito interessantes, principalmente quando usamos ataque e esquiva ao mesmo tempo onde a nossa personagem irá atacar o inimigo de frente e poderá esquivar-se passando por baixo ou por cima atacando logo de seguida outro inimigo que esteja por perto. O sensor aranha também está muito bem desenvolvido, ele consegue perceber quando os inimigos estão prestes a atacá-lo ou a disparar contra ele de forma a nos conseguirmos esquivar na hora certa.

Tal como já tinha dito acima, existem muitas missões secundárias e alguns extras para fazermos durante o jogo. Temos tarefas como tirar fotos a edifícios importantes na cidade, apanhar mochilas antigas que deixamos presas nos edifícios da cidade e até mesmo desativar bombas. Estas tarefas vão parecer muito repetitivas e inicialmente iremos apertar constantemente o quadrado, afinal de contas esse é o botão que mais usamos para atacar os nossos inimigos.

Inicialmente iremos usar muito a técnica de atacar esquivar, mas conforme vamos avançando iremos desbloquear novos movimentos de combate e que vão tornar o combate num verdadeiro improviso.

Algo que me deixa muito surpreendido é o facto de Spider-Man fazer com que as missões secundárias pareçam perfeitamente naturais. Afinal de contas que outro super-herói poderia lutar contra inimigos, travar assaltos, salvar pombos, e tudo isto num só dia? Posso dizer que poucos são os jogos que conseguem superar o que foi feito em Spider-Man da Marvel.

Gráficos...

Os gráficos de Spider-Man estão incríveis,  tiveram uma atenção enorme no que toca aos detalhes a maneira fluida como o Spider-Man se desloca de edifício em edifício.  A forma como Spider-Man lança as suas teias, ataca os seus inimigos ou se desvia de ataques é muito fluida e em momento algum eu senti perda de frames, mesmo quando o ecrã estava cheio de inimigos.

Um outro ponto que me deixou bastante surpreendido foram as cinemáticas e a capacidade que a produtora teve de criar ambientes e vídeos espetaculares que relatavam o que se estava a passar dentro do jogo.

Som...

As trilhas sonoras do jogo estão muito muito bem conseguidas, a sensação que tive é que estava a ver mais um dos filmes, pois as trilhas sonoras aliadas ao sistema gráfico do jogo faziam com que parecesse que estávamos a ver um filme e não um videojogo. Os efeitos especiais de sons referentes às lutas e à deslocação do Spider-Man pela cidade estavão muito bem conseguidos, algo que dá um realismo superior ao jogo.

Conclusão...

Spider-Man da Marvel não é certamente dos jogos mais longos que eu já joguei, se formos jogadores dedicados e seguirmos só o modo história o jogo poderá estar terminado em cerca de 12 horas. Se pretendemos terminar o conteúdo extra que o jogo tem deste missões secundárias e travar assaltos que encontram a acontecer por toda a cidade, então poderemos ter um jogo com 24 a 32 horas de duração.

A pergunta é a seguinte, “devo eu comprar o jogo Spider-Man da Marvel?” Claro que sim, Spider-Man é um jogo do género “mundo aberto de acção” e que vale cada cêntimo investido nele.

Não esquecendo que ainda vão aparecer novos DLC´s que vão ampliar o jogo e fará com que Spider-Man da Marvel fique incrivelmente gigante e com conteúdo de sobra.

Nota: 10/10

Positivo…

Peter Parker mais maduro.

Jogabilidade muito boa.

História muito boa.

Negativo…

Por vezes um pouco repetitivo.

Missões secundarias parecem quase obrigatórias.